Projeto UÇÁ divulga novo ranking de resíduos mais encontrados na Baía de Guanabara

04-03-2022

Plástico continua sendo o material mais presente nos itens coletados durante a Operação LimpaOca

Um novo estudo do Projeto UÇÁ — iniciativa da ONG Guardiões do Mar, com o patrocínio da Petrobras, por meio do Programa Petrobras Socioambiental —, constata que dos 10 itens que mais poluem os manguezais da Baía de Guanabara, metade continua sendo composta por resíduos plásticos. Os dados foram obtidos após a última edição da Operação LimpaOca, uma ação de limpeza que engaja pescadores e catadores na retirada de resíduos durante o período de defeso do caranguejo-uçá, na Estação Ecológica da Guanabara. 

Realizada de outubro a dezembro/2021, a última edição da Operação LimpaOca retirou quase 10 toneladas de resíduos sólidos em cinco hectares de manguezais da Baía de Guanabara. Ao todo, durante seis anos de trabalho, foram coletadas 44 toneladas de resíduos e 36 hectares foram limpos.

Em 2020, o Projeto UÇÁ divulgou uma lista, com bastante repercussão, dos 10 resíduos mais encontrados nos manguezais da Baía de Guanabara durante as cinco edições do Projeto. No ranking, 83% dos itens eram compostos por plástico. Nesta última edição, este material ainda é o mais presente e sacolas plásticas, garrafas PET e isopor ainda figuram no topo da lista. 

Neste ano, em que comemora 10 anos de atividades, o Projeto UÇÁ celebra muitas realizações e conquistas em prol do Meio Ambiente. No entanto, esses dados mostram que é preciso unir ainda muitos esforços para uma sensibilização a respeito do correto descarte do lixo e do consumo consciente. 

O presidente da ONG Guardiões do Mar e coordenador do Projeto UÇÁ, Pedro Belga, ressalta que o problema tende a se agravar nos próximos anos: “A situação da poluição por plásticos e outros resíduos é tão grave, que a expectativa é de que, até 2050, poderemos ter mais plásticos do que peixes no mar. Lembramos que o lixo não tem pé, braços, nem asas. Como eles chegam aos ambientes costeiros e causam seu impacto, é sabido por todos. Cabe a nós, sensibilizar e mobilizar as pessoas para, em médio e longo prazo, nos ajudarem a diminuir esse impacto. E o que é melhor, sem distinção de gênero, faixa etária, credo ou qualquer outra forma discriminatória. O mal causado pelo plástico é igual para todos”, conclui.

Confira o Top 10 dos itens mais encontrados (unidades recolhidas) em 2021:

1- Sacola plásticas (11.858)
2- Garrafas PET (9.801)
3- Isopor (6.331)
4- Plástico grosso (4.673)
5- Plástico (3.797)
6- Chinelo (2.083)
7- Embalagem (1.627)
8- Garrafa de vidro (1.354)
9- Madeira trabalhada / madeira (1.112)
10- Tecido  / couro – em geral, pedaços ou restos de confecções (805)

Entre os objetos encontrados nesta edição ainda constam itens como capacetes de moto (17), pneus (16), sofás (2), tanque de combustível (1), carcaças de televisão (58), tubos de TV (19) e TV completa (3). 

“Nossos resultados podem parecer poucos. Mas quando se olha mais de perto, pode-se verificar que são mais 36 hectares limpos, disponíveis para instalação de novas tocas de crustáceos, para fixação dos propágulos, que darão origem a novas árvores de mangue e, consequentemente, a uma nova floresta. Com isso, podemos afirmar que, além de sensibilizar essas pescadoras e pescadores para uma ação de educação ambiental, estamos trabalhando para a manutenção da sociobiodiversidade e socioeconomia no território”, comemora Pedro Belga.

Renda extra e empoderamento feminino

Reeditada em 2014, a Operação LimpaOca é uma ação inédita criada em 2001 pelos ONG Guardiões do Mar. Ela também garante renda extra aos povos tradicionais durante o período de defeso do caranguejo-uçá, quando é proibido coletá-lo. Os trabalhadores engajados na atividade recebem uma bolsa-auxílio para coletar os resíduos durante duas manhãs semanais, além de palestras de educação ambiental sobre o ambiente costeiro.

Após desenterrar o lixo da lama, os participantes o transportam de barco até a sede do Núcleo de Gestão Integrada da Área de Proteção Ambiental de Guapi-Mirim e Estação Ecológica da Guanabara (NGI – APA/ESEC – ICMBio), nos manguezais do Recôncavo da Guanabara, na Baixada Fluminense. Lá, é feita a triagem, pesagem e a avaliação da origem dos resíduos, permitindo identificar também possíveis principais poluidores.

Neste Dia Internacional da Mulher, vale destacar a participação ativa de catadoras durante as ações da Operação LimpaOca, como a da pescadora artesanal e catadora de caranguejos Rita Duarte, 64 anos. “Dá um contentamento muito grande ver a vida voltar. O trabalho é imenso, sofremos. O sol castiga, os maruins nos devoram. A lama escorrega, engole. Mas quando a gente vê o mangue, vale a pena”, conta ela.

A iniciativa foi considerada referência nacional pela Plataforma EduCares do Ministério do Meio Ambiente, e visa contribuir com o empoderamento das mulheres, que historicamente enfrentam diversas situações de machismo na cadeia da pesca.

Sobre o Projeto UÇÁ

Desde 1998, a ONG Guardiões do Mar atua como incubadora de projetos e ações socioambientais que produzem conhecimento científico e mobilizam lideranças comunitárias e de povos tradicionais para a conservação de manguezais e combate ao lixo nos ecossistemas costeiros. É a realizadora do Projeto UÇÁ, com o patrocínio da Petrobras por meio do programa Petrobras Socioambiental, iniciativa que mais retirou resíduos sólidos no recôncavo da Guanabara na última década: retirou 44 toneladas de lixo de 36 hectares deste ecossistema através da Operação LimpaOca, restaurou 182 mil metros quadrados de florestas de mangue na APA de Guapi-Mirim e plantou mais de 64 mil árvores das três espécies de mangue. 

Pioneira em educação ambiental inclusiva, foi vencedora do Prêmio Hugo Werneck (2017) e do Prêmio Firjan Ambiental (2020). Integra a Rede Águas da Guanabara – REDAGUA, a Rede Nacional de Manguezais – RENAMAN, participa da Rede Manguezais Litoral Norte de SP e do Movimento Viva Água – Baía de Guanabara. Para o triênio 21/24, atua em ações integradas com realização de serviços ecossistêmicos, educação ambiental e pesquisa em seis municípios que fazem parte da região hidrográfica da Baía de Guanabara. Mais informações em facebook.com/projetouca/ e no Instagram @projetouca. 

Assessoria de Imprensa Projeto UÇÁ

Anna Braz
(21) 98729-5358

coralinebraz@gmail.com
comunicacaouca@gmail.com

Shirley Costa
(21) 2050-5967 / 99305-7872
shirley.assessoria@gmail.com
shirley@agenciafrigg.com.br

Projeto UÇÁ - © 2022