Você sabia que naufrágios (planejados) podem ajudar a vida marinha?

30-06-2020

Foto: Maurício Avila | Brasil Mergulho

Nessas ocasiões, o objetivo é transformar navios afundados em recifes de corais, isto é, “moradias alternativas” para organismos bentônicos, que podem contribuir para a manutenção da vida marinha local.

Para evitar que quaisquer materiais prejudiciais entrem no oceano enquanto as embarcações selecionadas são afundadas, elas são minuciosamente limpos e precisam passar por inspeções ambientais rigorosas.

Por outro lado, naufrágios acidentais podem despejar combustíveis e outros poluentes nos oceanos: Em 1890, o cargueiro à vapor Buenos Aires partiu da Alemanha, tendo a Argentina como destino final.

No entanto, ao navegar próximo à entrada da Baía de Guanabara, o navio colidiu com a Ilha Rasa — localizada a cerca de 10km da costa fluminense — e afundou. Curiosamente, a ilha é a única na área que possui uma farol de sinalização.

A carga de cimento, porcelanas, vidros, cerveja e outros materiais foi perdida, mas todos os passageiros e tripulantes saíram a salvo. O acidente teria ocorrido devido a desatenção e negligência da tripulação, embora haja boatos sobre sua intencionalidade, a fim de acionar o seguro da embarcação.

No fim, a natureza adotou a carcaça do cargueiro, e a estrutura se tornou a casa de variadas espécies marinhas que vivem na região.

Fonte: Brasil Mergulho

Tags: , , , , ,

Projeto UÇÁ - © 2020