NEM TUDO QUE É BELO QUER SER TOCADO

31-01-2020

Em épocas como as férias os acidentes com animais marinhos aumentam. Por que será??

A verdade é que os animais marinhos que vivem próximos as faixas de areias, principalmente em costões rochosos, sempre estiveram lá – afinal é a casa deles. Mas, quando chega o verão e as férias escolares, essa região acaba atraindo um grande número de frequentadores.

Assim como os recifes de corais, os costões rochosos encantam os banhistas pela beleza nas formas de vida que ali se desenvolvem. Esponjas coloridas, peixes de diversas cores e formas, estrelas-do-mar e ouriços. No entanto esses organismos desenvolveram diferentes estratégias para não virar presa de outra espécie – é a evolução garantindo a sobrevivência da espécie. E fato que algumas delas não pensaram na ação devastadora que o ser humano pode causar ao meio ambiente e nem sempre os protegem de nós, mas pode causar dor e danos desagradáveis. Basta respeitar que NÃO É NÃO!! Como entender esse recado?!

Na vida marinha recursos como causar irritação, perfuração, mordidas, queimaduras são facilmente visualizadas por nós, mas não são compreendidas. Cores bonitas, listras, ornamentos, entre outros podem ser bonito, mas na verdade servem de alerta para que não nos aproximemos. Lembrem que eles estão quietos na própria casa e somos nós que vamos até eles, então: Cuidado ao caminhar (1), não coloque a mão em nada, muito menos enfie a mão em locas e cavidades no costão (2), alguns se escondem nesses locais. Cuidado e não se aproximem de animais que as ondas jogaram na areia (3), suas defesas ainda podem estar ativas.



(1) Ouriço (Echinometra lucunter ) sempre presente em nossos costões causam a maior parte de acidentes com banhistas que resolvem caminhar pelos costões pisoteado todos os organismos; (1a) Peixe-pedra (Synanceia verrucosa) citado como causador da maior dor do mundo por suas vítimas acidentais, banhistas que caminham em áreas rasas perto dos costões.



(2) Peixe Moréia, peixes da família Muraenidae, por não possuírem escama ou couro como os demais peixes, sua estratégia de defesa contra predadores é expelir um muco com toxinas e sua mordida é bem forte; (1a) As Esponjas-marinhas são responsáveis pelo colorido variado em alguns costões, podem ser verde, laranja, azuladas. São animais do Filo Porífera e seu esqueleto é formado de pequenas farpinhas chamadas espículas que ao serem tocadas entram na pele e podem causar irritação, e se levarmos as mãos aos olhos a coisa fica pior.



(3) As Caravelas-portuguesas (Cnidários) são colônia de animais marinhos bem pequenos onde cada um desenvolve sua função, aqueles que ficam nos tentáculos que podem chegar a 9 metros, possuem a função de aprisionar suas presas. O flutuador garante que elas passeiem por vários locais, mas quando as ondas as jogam na areia o colorido do flutuador acaba atraindo curiosos que podem se acidentar nesses tentáculos, causando dores semelhantes a queimaduras. São frequentes nas praias do Norte e Nordeste. (3a) As águas-vivas (Cnidários) são transparentes e raramente visíveis quando estão na água, essas criaturas existentes no planeta Terra a cerca de 650 milhões de anos. Seus tentáculos são dotados de células chamadas nematocistos com substâncias tóxicas que causam diversas reações em suas presas. Em contato direto com a pele humana, essa substância pode provocar além de dor, sintomas como, vômitos, dores de cabeça e abdominais, sensação de constrição na garganta, paralisia, convulsões e até mesmo insuficiência respiratória. Na pele podem surgir reações alérgicas como, bolhas, vesículas e até mesmo necrose.

Leia mais em: https://www.gazetadopovo.com.br/viver-bem/saude-e-bem-estar/aguas-vivas-sao-mais-perigosas-norte-nordeste-brasil/

O melhor é seguir o mandamento ambiental mais justo:

Projeto UÇÁ - © 2020